UMA VIAGEM PELA NOSSA SALA

UMA VIAGEM PELA NOSSA SALA

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Visita à Fábrica da Pólvora

RELATÓRIO

        No dia 23 de setembro, fizemos uma visita à Fábrica da Pólvora em Vale de Milhaços. O meio de transporte utilizado foi o autocarro da Câmara Municipal do Seixal e partimos às 9.30.

        Assim que lá chegamos fomos recebidos por uma guia muito simpática e disponível chamada Carla. Ao dirigirmo-nos à caldeira vimos um tanque de refrigeração para arrefecer as caldeiras. O Sr. Francisco era o maquinista/fogueiro que nos recebeu e explicou-nos muita coisa. Esta fábrica começou a funcionar em 1898 e a caldeira que estava a trabalhar tinha 104 anos. Mostrou-nos a sirene que avisava os trabalhadores do horário de trabalho e também para se protegerem em dias de trovoada.

        O vapor produzido na caldeira, fazia movimentar um aparelho mecânico através de uns cabos. Existiam também vários edifícios cada um com a sua função: um triturava o nitrato de potássio, outro fazia o carvão vegetal e outro juntava o enxofre aos restantes componentes formando assim a pólvora. A máquina que misturava tudo chamava-se galga. De seguida, a pólvora era transportada em vagões que corriam sobre carris e levada para outros sítios.

Os trabalhadores tinham que ter alguns cuidados como:

 *não fumar neste local, porque eram despedidos pois causavam uma explosão e

 *deviam despir a roupa que usavam sem a levar para casa pois podia conter vestígios de pólvora.

Os utensílios que estavam em contacto com a pólvora eram feitos de madeira, latão ou cobre com o intuito de não criar faísca com a pólvora.

Gostámos muito desta visita, já que aprendemos bastante e agora ainda valorizamos mais o nosso património local.

TEXTO COLETIVO DO 4ºD









 POÇO DE REFRIGERAÇÃO




AS CALDEIRAS





A MÁQUINA A VAPOR QUE PRODUZIA ENERGIA MECÂNICA





A CHAMINÉ E A SIRENE


 OS CABOS DE LIGAÇÃO ENTRE OS EDIFÍCIOS



O APARELHO QUE REDUZIA A PÓ VÁRIOS COMPONENTES



 A GALGA QUE MISTURAVA OS COMPONENTES DA PÓLVORA
NITRATO DE POTÁSSIO (SALITRE), ENXOFRE E CARVÃO VEGETAL


PARA RAIOS 
 destinado a dar proteção aos edifícios atraindo as descargas elétricas atmosféricas, raios, para as suas pontas e desviando-as para o solo através de cabos de pequena resistência elétrica. Como o raio tende a atingir o ponto mais alto de uma área, o para-raios é instalado no topo do edifício.



VAGÕES DESTINADOS A TRANSPORTAR A PÓLVORA


OS CARRIS POR ONDE IAM OS VAGÕES




OFICINA DE CARBONIZAÇÃO

Carvão vegetal é uma substância de cor negra obtida pela carbonização da madeira ou lenha.






1 comentário:

  1. Boa tarde,

    Estas visitas a locais históricos do nosso concelho são sempre apreciadas pelos mais pequenos.

    ResponderEliminar